inter-e-corinthians2

Até onde pode ir a rivalidade?

Na última segunda-feira (21) a Arena Corinthians foi palco de um clássico repleto de rivalidade. Corinthians e Internacional se enfrentaram na 36ª rodada do Campeonato Brasileiro. Mas o jogo ficou para escanteio em decorrência da atitude dos torcedores do time da capital paulista.

A vitória do alvinegro colocou o colorado em uma situação muito complicada na disputa, já que agora está a quatro pontos do primeiro time fora da zona de rebaixamento. Com tanta rivalidade em campo, os torcedores começaram as brincadeiras com “olé” e “Olê, Olê, Olê, Olê o Inter vai jogar na Série B”, algo muito comum em estádios. No entanto, durante o duelo, uma parte da torcida corintiana entoou um canto contra o rival, que dizia “Não é mole não. Você vai cair, igual o Fernandão”.

A “provocação” escolhida por essa parte dos torcedores ultrapassou todos os limites da esportividade. Inclusive a procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) está analisando o caso para ver se cabe uma denúncia contra o clube.

Para quem não acompanha o futebol, pode não ter entendido a referência, mas Fernandão foi atacante e ídolo incontestável do Internacional, que no ano de 2014 sofreu um acidente fatal. O helicóptero no qual o jogador viajava caiu pouco depois da decolagem.

Os torcedores do Corinthians não foram os primeiros a entoar um canto como esse contra o clube gaúcho, mas a questão vai muito além de quem cantou primeiro. Quem estava sendo citado nessa canção não era o time rival, mas sim uma pessoa, uma família e amigos do ex-jogador. Repetir um ato como esse, é o mesmo que ver uma pessoa sendo chutada na rua e começar a chutá-la também.

Mesmo que o STJD não denuncie o que houve no estádio, é de suma importância que as pessoas entendam de uma vez por todas o que é brincadeira e o que é agressão. Citar a morte de uma pessoa como forma de piada, não é aceitável e nem poderia passar pela cabeça das pessoas.

O futebol está, cada vez mais, perdendo a paixão para o fanatismo. E nada que chega a esse nível é saudável. Não foi saudável em forma de governo, na religião e não é diferente no esporte. Torcer é incrível, mas respeitar o outro é ainda melhor.  É vergonhoso que seres humanos possam cantar a morte de outro e achar isso uma brincadeira. Onde foram parar o bom senso e a consciência dessas pessoas? Por favor, a evolução dos homens se deu graças a nossa capacidade de comunicação e raciocínio, mas parece que estamos voltando no tempo.

Entenda a rivalidade:

Não é de hoje que os clubes esportivos Corinthians e Internacional têm uma grande rivalidade. Pra ser mais exata, o grande início foi no ano de 2005, quando os dois clubes disputavam o título do campeonato Brasileiro.

A questão principal foram os jogos anulados pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva). O time colorado estava a frente na tabela, quando 11 jogos apitados por Edílson Pereira de Carvalho foram anulado por suspeitas de manipulação e tiveram que ser “refeitos”. Com isso, o Inter perdeu um dos jogos que, no passado, havida vencido e o Corinthians trocou duas derrotas por uma vitória e um empate, somando 4 pontos e assumindo a liderança.

Pra finalizar o conflito os clubes tiveram um confronto direto no fim do campeonato. O jogo estava 1×1 quando o goleiro do alvinegro, Fábio Costa, acertou com um carrinho o volante Tinga dentro da área. A penalidade não foi marcada e o jogador do alvirrubro ainda foi expulso, o que gerou uma grande revolta. Principalmente porque o placar de 1×1 mantinha o clube paulista na liderança, seguido pelo gaúcho.

AS59111 S11 SAO PAULO 20/11/2005 CORINTHIANS X INTERNACIONAL ESPORTES OE/JT -- Jogo entre Corinthians e Internacional/RS valido pelo Campeonato Brasileiro de 2005, realizado no estadio do Pacaembu / Na foto o goleiro Fabio Costa observa o arbitro Marcio Rezende de Freitas expulsar o jogador Tinga (D) -- FOTO:ALEX SILVA/AE

FOTO:ALEX SILVA/AE

Dois anos depois, em 2007, um novo capítulo dessa história foi escrito, mas dessa vez, não tinha nada a ver com o titulo do campeonato. A disputa do Corinthians era contra o rebaixamento. Após empate com o Grêmio, o clube paulista precisava que o time gaúcho vencesse o Goiás para continuar na Série A do campeonato Brasileiro e, claro, que o resultado não foi esse.

O jogo aconteceu no dia 2 de dezembro e o Internacional saiu a frente no placar, mas sofreu o empate. No entanto, o lance que causou discórdia foi a cobrança de pênalti a favor do Goiás, já que foram três cobranças. O goleiro colorado, Clemer, defendeu as duas primeiras, mas o árbitro Djalma José Beltrami Teixeira mandou repetir alegando que ele havia se adiantado, na terceira cobrança veio o gol e o rebaixamento do alvinegro paulista.

Claro que a torcida do Corinthians não aceitou o resultado do jogo e acusou o time gaúcho de entregar o jogo. Mas de rancor os colorados entendem bem e na final da Copa do Brasil em 2009, a diretoria gaúcha chegou a fazer um dossiê de jogos em que o Corinthians foi beneficiado pela arbitragem e entregou um DVD para a CBF.

inter-e-corinthians1

O DVD virou motivo de piada entre os torcedores corintianos, principalmente após a vitória por 2×0 no jogo de ida e o empate em 2×2 no jogo de volta, que garantiram a taça para o time da capital paulista. Desde então, todos os confrontos são repletos de provocações com “compra o juiz” e “põe no DVD”.