coletorees

Cuidados com a saúde íntima

Outubro marca um mês muito importante para a saúde feminina, é o mês da conscientização e luta contra o câncer de mama. Por conta dessa campanha, o mês ficou popularmente conhecido como Outubro Rosa. Mas não é apenas o câncer de mama que atinge a saúde feminina. Outra área muito suscetível a doenças é a região intima.

Infecções de urina e vaginoses bacterianas, miomas, câncer do colo do útero, ovários policísticos, vulvite, endometriose e DST’s – como HPV, sífilis, candidíase, tricomoníase e outros. Com tantas doenças podendo afetar a região íntima feminina, fica a questão, como tratar para evitá-las?

A higienização correta e até mesmo as escolhas de vestuário podem afetar a saúde íntima feminina. Alguma simples alterações nos hábitos podem evitar desde odores até infecções.

Começando pelo vestuário, a principal dica é: invista em peças que mantenham a circulação de ar. Calcinhas de algodão, por exemplo, permitem a ventilação da região íntima. Roupas muito justas e grossas fazem o oposto e, portanto, podem facilitar a ocorrência de infecções.

Caso costume fazer o uso de calças jeans diariamente deixe esse hábito de lado. Troque-as por panos mais leves ou saias pelo menos duas vezes na semana. Evite também o uso da mesma peça por dois dias seguidos. Higienize as roupas íntimas antes de usar pela primeira vez e, sempre que possível, durma sem calcinha.

Para os dias de menstruação as dicas de vestuário seguem as mesmas. Mas é importante lembrar que os absorventes devem ser trocados a cada 4 horas – ou menos, dependendo do fluxo. Como o próprio nome já diz, o absorvente absorve a umidade da região íntima, por isso é válido utilizar lenços umedecidos na hora de se limpar, principalmente durante esse período.

No entanto, uma alternativa que surgiu recentemente promete trazer inúmeros benefícios a saúde íntima feminina. O coletor menstrual, segundo fabricantes, é um conceito inteligente de higiene que diminui a irritação gerada pelo atrito dos absorventes comuns e pelo suor, já que ele veda a passagem de ar, evitando vazamento e impedindo a formação de odores. Ou seja, a oitava maravilha do mundo.

coletores

 “Antes de mais nada, é preciso entender o que exatamente é o coletor. Confeccionado em silicone medicinal flexível, ele funciona como um copo, literalmente, que é colocado dentro da vagina para aparar o sangue da menstruação”, explicou o médico ginecologista Dr. Leandro Nardy. Sendo assim, a primeira coisa que deve ser avaliada é se o produto é feito de silicone medicinal/hipoalergênico e livre de BPA ou Bisfenol-A – uma substância tóxica utilizada na fabricação de plásticos para torná-los mais flexíveis.

Outro fator importante é conhecer bem o seu corpo. Existem várias variações de tamanhos para copos coletores, isso porque cada mulher tem um fluxo e um formato do canal vaginal. Por isso os fabricantes dizem que o coletor também proporciona o autoconhecimento. Além do toque intimo na hora de colocar e retirar o coletor, algumas usuárias indicam a utilização do dedo como uma forma de identificar o espaço entre a entrada do seu canal vaginal e o colo do útero, para saber qual tamanho melhor se adapta ao seu corpo.

O coletor não altera o pH vaginal – por coletar o sangue e não absorve-lo -, o que acaba não deixando ressecar a vagina e auxilia muito na lubrificação natural da mulher na hora do sexo. Outro diferencial é que ele pode ser utilizado por 12 horas consecutivas, enquanto os descartáveis devem ficar um máximo de 4 horas.

A higienização deve ser feita com muita atenção e com os produtos indicados pelos fabricantes. “Durante o período menstrual, ele é colocado e tirado do corpo com frequência. Após o uso, ele fica guardado por um mês e volta a ser utilizado. É preciso ter muita higiene. Manter as mãos sempre limpas, lavar o aparelho, colocar em água fervente. Essa é uma região com muitas bactérias e, se a mulher não tiver cuidado, pode acabar se tornando um fator de contaminação”, explicou o ginecologista Dr. Leandro Nardy

Além de tudo, o produto é uma alternativa mais econômica, ecológica, confortável e ainda apresenta uma melhora da vida sexual da mulher. Mas é válido lembrar que o produto não tem finalidade terapêutica definida, por isso não é considerado para a saúde e não possui regulamentação da Anvisa. Por isso é muito importante pesquisar bem o fabricante.