Quem já leu um conto sufi?

d056e4_4879aed5e6960d99a459e878b012a28d.jpg_srb_p_600_381_75_22_0.50_1.20_0Por Camila Prietto

O essencial para uma mãe é um filho. Mas o que é essencial para uma estória? Uma série de elementos compõem uma sinfonia narrativa. O ritmo de estórias possui uma profunda conexão com nossos batimentos cardíacos, que evocados pelo som do “era uma vez…” reverberam como se fôssemos imediatamente conectados uns aos outros.

Uma boa estória evoca aquilo que temos de mais humano e característico: o que fazemos da essência dos nossos desejos? Não existe país, raça ou crença cuja tradição não envolva histórias, fábulas ou lendas. Assim como não existe uma pessoa que não tenha uma boa história para contar.

Os místicos sufis buscavam ensinar através de contos e fábulas, que em geral, abordam a situação humana. O sufismo é uma sabedoria mística e contemplativa do Islão. Utilizam práticas espirituais como orações e jejuns, mas também incorporam cânticos, música e movimentos na busca de uma relação mais íntima, direta e contínua com Deus. As fábulas sufistas geralmente nos levam a diálogos entre mestre e discípulos, e me parecem extremamente delicadas em suas escolhas. Acredito que grande parte das pessoas conheça aos famosos contos dos irmãos Grimm, mas você já pensou em contar um conto sufi para o seu filho?

Acesse o link: http://www.camilaprietto.com/#!sobre-2/c75c, Digite senha: pense mais (tudo minúsculo) e divirta-se com a surpresa que a Camila preparou para nossos leitores!