prin1[1]

A Princesa Adormecida

Paula Pimenta. Princesa Adormecida. Editora Galera Record. Rio de Janeiro, 2014, 192 pp.

 Que delícia ler cada página desse livro! É uma história leve, despretensiosa e que, ao mesmo tempo, realça os valores familiares e reafirma a fé no verdadeiro amor. A linguagem é moderna e arrebatadora, conquistando o leitor desde as primeiras páginas. Além disso, a autora apimenta a trama ao aliar uma narrativa ancestral, A Bela Adormecida, ao universo tecnológico do mundo contemporâneo. Dessa forma, ela encena um conto de fadas tradicional nos tempos atuais.

Áurea Roseanna Bellora é filha de uma chef de cuisine brasileira e de um descendente da família real de Liechtenstein. Mas sobre os pais ela tem apenas vagas lembranças, e nenhuma memória de sua origem nobre, já que conviveu com eles apenas até os cinco anos de idade.

Na verdade, ela desconhece o próprio nome; acredita ser Anna Rosa Lopes e na história contada por seus tios. Segundo eles, os pais dela morreram em um acidente de carro e ela nunca deveria revelar o trágico sequestro que marcou sua infância e determinou a brusca separação de sua família, para sua própria proteção.

Nesta época, uma antiga paixão do pai de Áurea, Marie Malleville, enfurecida por ser preterida pelo homem que amava, decidiu raptar a protagonista no dia do próprio batizado, com a intenção de matá-la. Seus planos foram frustrados pela presença de Filipe, então um garotinho de 4 anos, filho de um diplomata brasileiro, que testemunhou o crime.

Graças a ele, a bebê de nove meses é logo resgatada, mas a criminosa não permanece muito tempo na prisão. Ela foge e logo após ser libertada passa a ameaçar Áurea e sua família. Para salvar a vida da filha, Doroteia e Stefan a enviam para o Brasil, mas a história sai do controle e eles são obrigados a simular a morte da filha. Enquanto isso, só resta aos irmãos de Doroteia fazer a sobrinha acreditar que os pais estão mortos.

O tio Florindo é proprietário de um salão de beleza; Fausto é músico e Petrônio um dedicado professor, que prima pela educação da sobrinha até os 11 anos, quando ele e os irmãos decidem que chegou a hora da garota ir para uma escola de verdade. A partir de então, ela se transforma em Rosa e passa a crer que os eventos de sua infância não passaram de mera ilusão.

Ao completar 16 anos, ela passa a se rebelar contra o controle excessivo de seus tios, que a proíbem de namorar e até de sair com as amigas. É nesse momento que Rosa começa a receber misteriosas mensagens em seu celular, de um pretenso admirador anônimo. Mas, quando a protagonista enfim descobre o amor, passado e presente começam a convergir e antigas maldições podem mais uma vez ameaçar sua vida.

A história alterna estruturas narrativas convencionais, convites de casamento, notícias de jornais e mensagens de celular, garantindo à trama um formato inovador e atraente. Assim, Paula

Pimenta justifica novamente o porquê de sua popularidade junto ao público adolescente. A autora é mineira, nascida em Belo Horizonte. Ela iniciou sua carreira literária em 2001, com a publicação de Confissão, um livro de poemas. Tornou-se célebre ao criar as séries Fazendo Meu Filme e Minha Vida Fora de Série. Paula também lançou um volume de crônicas, Apaixonada por Palavras, e teve uma participação na antologia O Livro das Princesas.

 

ana luciaOlá leitores da Pense +! Eu sou a Ana Lúcia Santana e é um prazer compartilhar com vocês um pouco da minha paixão pelos livros. Vou estar sempre por aqui, trazendo algumas das minhas leituras preferidas. Espero que realmente apreciem as dicas literárias. Blogs Prosa Encantada e Valise de Palavras.

E-mail: ninhalu5@gmail.com

Facebook: facebook.com/ninhalu

Twitter: https://twitter.com/#!/ninhaluci